10 de jan de 2012

Tipos apocalípticos: o paranóico

Paranoia é um dom que, infelizmente, sofre muito preconceito por parte da grande maioria (culpa dos maias). Enquanto a parcela leiga da sociedade enxerga apenas um maluco com síndrome de perseguição, a verdade é que o paranóico é o arauto da verdade. Ele SABE.

Se não fosse pelo paranoico não haveria conspiração. E sem conspiração não teríamos com saber a verdade por trás dos planos da máfia maia para acabar com o mundo. E,vamos combinar, ser o último a saber é uma droga. "Ah, o mundo está acabando? E quando iam me contar?". Não dá, né?

Por isso que devemos valorizar o paranóico. Assim como o portador de TOC, ele é um verdadeiro oráculo do saber. E podemos aprender muitas coisas importantes com esta conduta.

Dicas de como enfrentar melhor o fim do mundo através da paranoia:

• Dar confiança é um erro básico. Você está sozinho nessa. Desconfie de tudo! Mas tudo MESMO. Da sua mãe, do seu cachorro de estimação, da sua própria sombra (o que ela anda fazendo quando as luzes se apagam?)

• Ligue os pontos. Tudo está interligado. O sinal da sua internet caiu? A culpa pode ser do jornaleiro que quer vender mais jornal. Ou do seu vizinho que não aguenta mais o tec-tec-tec de suas conversas virtuais. Ou do Vaticano que acha a internet coisa do demônio. Ou todos juntos mancomunados com os maias num claro sinal de acabar com o mundo começando pela web.

• Interprete as informações. Tudo que é dito tem entrelinhas, por mais inocente que pareça. Basta um olhar, um suspiro, um gesto, uma vírgula... E pronto: você terá a certeza que estão tramando contra você. Ou o mundo.

• Acredite nos e-mails que mandam passar a mensagem para outras dez pessoas ou do contrário algo ruim vai acontecer. Pois algo ruim realmente vai acontecer.

• Emoticons são símbolos do calendário maia. Pessoas que se comunicam na web usando carinhas e gifs animados estão propagando mensagens subliminares a respeito do juízo final. Use sua intuição para decifrar estas mensagens e depor os articuladores do fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário